Corte de R$ 12 mi para BR-153 não vai atrasar obras de duplicação, diz Edinho
11/01/2019 09:24 em Novidades

O prefeito Edinho Araújo (MDB) nega que a duplicação dos 17 quilômetros do trecho urbano da BR-153, em Rio Preto, sofrerá descontinuidade no ritmo das obras. A declaração de Edinho é uma resposta ao corte de R$ 12 milhões, nos R$ 60 milhões previstos anteriormente, no Orçamento da União para este ano.

 

A redução ocorreu após deputados realizarem mudanças no projeto encaminhado ao Congresso pelo Executivo.

 

Com as modificações, o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes) terá quase R$ 48 milhões para seguir adiante com a duplicação, uma redução de 20% no valor previsto para 2019.

 

“A BR tem recursos para a conclusão do eixo central. Os R$ 48 milhões que ficaram no orçamento de 2019, nós temos um saldo de R$ 20 milhões do ano passado. Logo mais estaremos visitando o ministro para dizer da importância da obra que já tem 65% do serviço concluído”, afirmou Edinho.

 

A peça orçamentária que prevê a destinação e os valores dos recursos ainda não foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL). Ele tem até terça-feira, dia 15, para sancioná-la. O presidente pode ou não manter a proposta com as alterações previstas pelos deputados e aprovada no Congresso. Orçada atualmente em aproximadamente R$ 200 milhões a obra prevê a construção de 14 viadutos e oito passarelas. Apenas cinco viadutos foram concluídos e as passarelas estão em fase de acabamento.

 

Neste momento a duplicação está sendo realizada por um consórcio formado por quatro empresas. Em 2017, o presidente Michel Temer (MDB), do mesmo partido de Edinho que afirma ser amigo pessoal, esteve em Rio Preto. Na ocasião afirmou que daria agilidade no avanço das obras e que a entregaria junto de Edinho no fim de seu mandato, em dezembro de 2018.

 

No entanto, a duplicação está 65% concluída. Foram gastos R$ 100 milhões em 2017, R$ 70 milhões em 2018 e havia a previsão de R$ 60 milhões no Orçamento Geral da União para 2019.

 

Questionado pela Gazeta em entrevista no fim do ano passado, se temia que o novo governo do presidente Bolsonaro pudesse comprometer o ritmo e a liberação total dos recursos, Edinho se mostrou confiante. “Não temo porque ela é uma obra muito especial. O presidente Temer esteve aqui e referendou a obra como prioridade dentro das obras nacionais. Outro aspecto é minha proximidade com o ministro dos Transportes que convivi quando era deputado e tive cargo Executivo em Brasília. Temos partidos que nos apoiam e apoiamos o presidente Bolsonaro no segundo turno das eleições”, afirmou.

 

Segundo o Dnit, a previsão de conclusão da duplicação de 17 quilômetros da rodovia é para o final deste ano. O órgão garante que o consórcio que reúne as empresas responsáveis pela obra tem saldo de R$ 20 milhões para seguir com a duplicação, referente a recurso liberado no ano passado. O valor é suficiente para seguir com o serviço por cerca de três meses.

COMENTÁRIOS